7 Erros financeiros que prejudicam a sua empresa

7 Erros financeiros que prejudicam a sua empresa

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Errar é humano e é muito provável que um gestor, ao longo da sua carreira, cometa alguns erros. Contudo, existem erros financeiros que podem ser muito prejudiciais para a gestão de uma empresa e que podem até levar um negócio ao fracasso. No artigo de hoje abordamos os 7 erros financeiros que prejudicam a sua empresa!

Falta de análise constante

É essencial nos dias de hoje analisar continuamente o seu negócio, pois só assim conseguirá encontrar problemas antes que estes se materializem. Os gestores não podem sobreviver mais apenas com folhas de Excel e com relatórios com alguns dias. É fundamental que o negócio seja analisado ao minuto, pois só desta forma será capaz de estar sempre à frente da concorrência. Softwares de monitorização do negócio como o Multipeers são uma necessidade crescente nas empresas atualmente, pois permitem analisar de uma forma simples tudo aquilo que se passa agora com o seu negócio.

Gastar o que (ainda) não se tem

Contrair uma dívida com dinheiro que ainda não entrou em caixa é um erro muito comum e que deve ser evitado ao máximo. Não há garantias de que o cliente não irá atrasar-se no pagamento ou se vai acontecer um imprevisto e será necessário investir em algo mais urgente.

Não fazer um balanço patrimonial

À medida que as empresas crescem, vários investimentos são feitos e o património da empresa vai crescendo ao longo do tempo. Contudo, muitas vezes não existe preocupação em saber o que se possui num determinado momento, acabando por continuar a investir-se de forma desordenada. Ter conhecimento do balanço patrimonial ajuda a empresa a saber se precisa de continuar a investir ou se, pelo contrário, deve reduzir os seus investimentos.

Falta de automatização

Realizar tarefas manualmente que poderiam ser automatizadas é um erro muito frequente. A utilização de um ERP ajuda a otimizar todos os processos, reduzindo os custos e aumentando a produtividade através da diminuição de erros humanos. As informações de uma empresa devem estar integradas, de modo a que todos os dados estejam atualizados para que seja mais fácil tomar decisões.

Não ter KPI’s

A área financeira é uma das mais relevantes em qualquer negócio e o uso de indicadores torna-se imprescindível. O uso de indicadores de negócio permite-lhe medir o resultado e verificar se os objetivos estabelecidos estão a ser cumpridos. Trabalhar sem indicadores é como estar perdido num labirinto complexo sem um mapa para o orientar.

Misturar despesas pessoais com despesas da empresa

É um dos erros financeiros mais comuns entre os empresários, que costumam utilizar a conta da empresa para pagar despesas pessoais. Este erro é muito prejudicial para as empresas, visto que altera completamente os custos fixos da organização e distorce a sua realidade financeira.

Focar apenas nas vendas

As vendas são o objetivo final de todos os negócios, mas se não tiver atenção às outras áreas do negócio, poderá comprometer toda a sua atividade. Uma gestão administrativa e de recursos humanos são exemplos de áreas que merecem ser tratadas com todo o cuidado. A boa gestão de todos os departamentos de uma empresa vai refletir-se nos resultados financeiros a médio e longo prazo.

5 Dicas essenciais para conquistar clientes em 2018

5 Dicas essenciais para conquistar clientes em 2018

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Conquistar clientes é um objetivo obrigatório todos os anos e em todos os negócios. Numa época em que existe tanta informação oriunda dos mais diversos canais, torna-se complicado captar a atenção do público-alvo, pelo que é imprescindível utilizar as melhores técnicas para conseguir conquistar novos clientes. Sabemos que cada negócio tem as suas especificidades, mas existem truques transversais a todas as áreas e no artigo de hoje apresentamos as 5 dicas essenciais para conquistar clientes em 2018.

Conheça o seu público-alvo

Mais do que nunca, é essencial que conheça bem o seu público-alvo. O consumidor atual é muito exigente, pelo que se torna cada vez mais difícil agradá-lo. Assim, deve recolher o máximo de informação possível sobre ele: preferências, redes sociais que utiliza, meios de comunicação que prefere, entre outros aspetos que sejam relevantes para o seu negócio. Os estudos de mercado ganham aqui uma importância muito grande, pois é uma ótima forma de conhecer melhor os desejos e características do público que pretende atingir e desta forma conseguirá conquistar clientes.

Ouça mais e fale menos

Os clientes gostam de falar e de sentir que está atento às suas necessidades e desejos. Muitos vendedores caem no erro de falar demasiado, pois pretendem mostrar, em pouco tempo, todos os benefícios do produto ou serviço que têm para oferecer. Contudo, os consumidores atuais procuram soluções rápidas e irão ficar entediados caso ouçam um discurso estandardizado. Assim, é muito importante que ouça primeiro tudo o que o cliente tem para lhe dizer e que depois apresente as soluções possíveis de uma forma prática e bastante objetiva.

Evite os clichés

Há frases que imediatamente nos remetem para os vendedores insistentes e aborrecidos que apenas querem vender e que não se preocupam com aquilo que realmente precisamos. Mesmo que considere que o seu produto é o melhor do Mundo, deve evitar tentar vendê-lo através desse argumento, pois vai soar a falso e a exagero. Evite também falar mal da concorrência e nunca, mas mesmo nunca, minta ao cliente. Hoje em dia, o consumidor é muito informado e a informação propaga-se a uma velocidade alucinante, pelo que a probabilidade de a sua mentira ser descoberta é muito grande e nesse caso além de não conquistar clientes, corre o risco de perder os atuais!

Acompanhe os resultados

Não basta lançar ações de marketing e campanhas e não monitorizar os seus resultados. É muito importante que defina indicadores e analise todos os resultados das suas ações. Só deste modo é que será capaz de promover uma melhoria contínua, que certamente terá efeito também no número de clientes angariados. O mercado atual é muito dinâmico e deve garantir que o seu produto ou serviço não fica estático.

Use uma estratégia de conteúdo

O marketing digital está cada vez mais presente nas estratégias das empresas e muitas marcas utilizam uma estratégia de conteúdo, em que escrevem artigos e estudos de caso sobre a sua área de atuação. Isso vai fazer com que os potenciais clientes olhem para a empresa como uma entidade de referência e isso vai aumentar a confiança e a probabilidade de optarem pelos seus produtos e serviços.

5 Dicas essenciais para tornar a sua empresa mais produtiva

5 Dicas essenciais para tornar a sua empresa mais produtiva

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Ano novo, vida nova! Se em 2018 tem como objetivo tornar a sua empresa mais produtiva, deve continuar a ler este artigo.

Ao longo dos anos, a forma como trabalhamos mudou muito, sobretudo devido à tecnologia. Contudo, cada vez mais somos “bombardeados” com pedidos constantes, que interrompem continuamente o nosso ritmo de trabalho e diminuem a nossa produtividade. No artigo de hoje, deixamos-lhe 5 dicas essenciais para tornar a sua empresa mais produtiva no novo ano!

Centrar a informação

Um dos principais problemas das empresas e sobretudo dos decisores é ter a informação espalhada por diversos softwares. Isto faz com que se consuma muito tempo a encontrar os dados necessários, o que atrasa as decisões operacionais e prejudica o bom funcionamento das empresas e torna a sua atividade menos produtiva. Softwares como o Multipeers permitem centralizar numa só plataforma toda a informação oriunda dos diversos sistemas da empresa, mostrando-a de uma forma graficamente limpa e interativa, que contribui para decisões mais acertas, pois toda a informação pode ser consultada em tempo real.

Delegar tarefas

Nem sempre é fácil os gestores conseguirem delegar tarefas importantes à sua equipa, mas sem darem conta este é dos principais problemas de produtividade. Ninguém é um super herói para conseguir carregar a empresa às costas, pelo que saber confiar na equipa é fundamental para se poder dedicar a tarefas que realmente não podem ser feitas por mais ninguém. Rodear-se de profissionais qualificados e responsáveis vai ajudá-lo a saber delegar algumas tarefas.

Definição de metas diárias

Todos temos objetivos mensais e anuais a cumprir, mas se pensarmos de forma muito genérica não vamos ser capazes de realizar diariamente as tarefas que contribuirão para esse cumprimento de objetivos. É essencial estabelecer metas diárias para que a sua empresa seja mais produtiva. Deve ser realista nos objetivos que define para o seu dia, pois caso contrário não será capaz de cumprir todas as tarefas e isso levá-lo-á a um sentimento de frustração.

Estabeleça horários para consultar o e-mail

A constante chegada de e-mails desvia-nos da tarefa que estamos a realizar no momento e torna a nossa performance menos produtiva. Deve desligar as notificações de chegada de e-mail no seu Desktop e estabelecer (e cumprir) horários de consulta e resposta a e-mails. Desta forma, o seu dia-a-dia será muito mais organizado e conseguirá maiores níveis de produtividade.

Reúna apenas se for imprescindível

A maior parte das empresas vive numa cultura de reuniões. Todo e qualquer assunto é discutido em torno de uma mesa de reuniões e dificilmente o horário e plano estabelecido são realmente cumpridos. Está provado que a maior parte dos assuntos discutidos nas reuniões empresariais poderiam ser facilmente solucionados através do envio de e-mail ou de uma chamada telefónica. Deste modo, deve reunir apenas se o assunto for delicado e exigir a contribuição de diversos elementos da sua equipa. Caso contrário, pode optar por conversas rápidas e em pé, de modo a que os colaboradores percebam que será uma “reunião” rápida e se foquem realmente no assunto a resolver.

Conheça os principais aspetos do Lean IT

Conheça os principais aspetos do Lean IT

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

A indústria do software está em constante evolução. Sendo um mercado muito competitivo, é essencial que as soluções disponibilizadas pelas empresas resolvam problemas rapidamente e sejam flexíveis. É fundamental que esta área inove e crie uma nova cultura de desenvolvimento de software. O Lean IT adapta os conceitos originais da filosofia Lean e do sitema da Toyota para área das tecnologias de informação. O objetivo é que estas formas de trabalhar se adaptem ao negócio de modo a criar valor para os clientes, alterando a forma como as empresas trabalham e melhorando a sua cultura empresarial. No artigo de hoje, abordaremos os principais aspetos do Lean IT.

Origem do termo

Lean IT é uma extensão do Lean industrial, que teve as suas origens em 1950 na fábrica da Toyota. Nesta altura, o Mundo atravessava uma crise económica e era essencial reduzir custos e otimizar os níveis de desempenho. Através do método Lean, as empresas minimizam o desperdício e produzem com alta qualidade, o que aumenta o valor para o cliente e torna os processos mais eficientes. Este método de trabalho utiliza processos de otimização como o Just in time e a melhoria contínua.

Processos mais eficientes

Lidar com ambientes de tecnologias de informação significa ter que atualizá-los de forma constante, para antecipar e evitar problemas e instabilidades e promover a melhoria contínua (segundo metodologia Kaizen). Gerir um ambiente de TI é um processo complexo e este metodolodia pretende criar sistemas mais funcionais, que saibam integrar todos os processos, tornando-os cada vez mais seguros e confiáveis.

Padronização dos processos

Esta é uma das principais características deste método. A padronização é a forma mais fácil e segura de executar uma tarefa sem falhas. O Lean IT sugere os seguintes processos para agilizar as tarefas: checklist de aplicações de padrões 5S, instruções claras sobre operacionalidade, definição de parâmetros de processos, padrão de parâmetros de setup e padrão de escalonamento de problemas.

Produção mais rápida

Um dos grandes focos desta metodologia é o aumento da velocidade dos processos, o que por sua vez aumenta a produtividade e o lucro. Processos bem delineados e sem falhas, tornam a empresa mais produtiva e isso vai fazer com que os resultados financeiros sejam mais elevados.

Maior envolvimento

A metodologia Lean IT envolve toda a organização no processo produtivo, não se aplicando apenas a um setor da empresa, mas sim a todas as hierarquias. Este método envolve todos os colaboradores para que no final o sucesso seja atingido de forma mais fácil.

As principais tendências na visualização de dados

As principais tendências na visualização de dados

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Os dados são cada vez mais importantes para as empresas e saber interpretá-los de forma correta e rápida é um desafio constante. O mundo atual dos negócios é muito acelerado, pelo que já não é possível que as empresas sobrevivam apenas à custa de relatórios extensos e demorados. O Business Intelligence, a inteligência artificial e necessidade de informação em tempo real estão a mudar o modo como visualizamos os dados. No artigo de hoje, apresentamos as principais tendências na visualização de dados!

Análise e visualização de dados com base na localização

As aplicações de telemóvel e as redes sociais cada vez mais usam a georreferência. Deste modo, é possível saber em que local se encontra um cliente e enviar informação personalizada e útil no momento, de modo a estimular uma compra. Esta tendência irá estar bem presente no futuro, onde as aplicações vão começar a integrar mais análise com base em geotags.

Visualização de dados para todos

A tendência é que todos os colaboradores de uma empresa tenham acesso aos dados importantes para o exercício das suas funções. Se antes os dados estavam apenas disponíveis para os gestores de topo e para os decisores, no futuro é expectável que exista uma democratização no acesso aos dados, para que todos os colaboradores estejam mais informados e possam desempenhar melhor as suas tarefas.

Dashboards interativos

O grande volume e complexidade dos dados requerem novas formas de analisar a informação. Os dashboards interativos vão ser uma grande tendência no próximo ano. Softwares como o Multipeers permitem a criação de um dashboard interativo com informação oriunda de diversas fontes de dados, o que torna a análise mais rápida e, consequentemente, a tomada de decisões é mais célere e eficiente.

Presença em diversas plataformas

As empresas devem estar presentes em várias plataformas (redes sociais, blog, website) e assim recolher dados de diversas fontes. Esta informação poderá ser utilizada para conhecer melhor os clientes e as suas necessidades e desejos. Deste modo, a oferta das empresas pode ser adaptada às necessidades reais dos consumidores, o que os tornará mais fieis à marca.

Cientistas de dados

Esta vai ser uma das profissões mais procuradas no futuro. Um cientista de dados é um profissional analítico que tem capacidades técnicas capazes de resolver problemas complexos e surgiram para tratar da enorme quantidade de dados não estruturados com os quais as empresas têm que lidar diariamente. Este profissional cria algoritmos para extrair insights dos dados gerados pelas diversas fontes de informação e apresenta-os num formato prático e simples de analisar por parte dos tomares de decisão, que depois serão capazes de definir estratégias e decidir qual o melhor caminho para a empresa.

7 livros que todos os líderes devem ler

7 livros que todos os líderes devem ler

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Existem livros que nos ensinam muito sobre gerir e liderar equipas. A leitura é um momento de relaxamento e prazer para muitas pessoas e se conseguirmos aprender a ser profissionais melhores através da leitura, juntamos o útil ao agradável! No artigo de hoje, reunimos os 7 melhores livros sobre liderança que todos os líderes devem ler!

O Monge e o Executivo (James Hunter)

Este livro traz-nos a história de um famoso empresário que abandonou a sua brilhante carreira para se tornar monge num mosteiro. James C. Hunter mostra-nos os princípios fundamentais seguidos pelos verdadeiros líderes. Se sente dificuldades em fazer com que a sua equipa consiga extrair o maior rendimento possível do seu trabalho e se gostaria de se relacionar melhor com a sua família e amigos, vai encontrar neste livro personagens, ideias e discussões que vão abrir novos horizontes na sua forma de lidar com os outros. É impossível ler este livro sem sair transformado.

Como fazer amigos e influenciar pessoas (Dale Carnegie)

Todas as empresas são feitas de pessoas e são elas que colaboram para o sucesso ou insucesso das organizações. Este livro é considerado um dos melhores sobre relacionamentos interpessoais. Lançado em 1936, traz-nos conceitos atuais para que os profissionais aprendam a lidar com pessoas. Este é um livro prático, com muitas aprendizagens que parecem “do senso comum”, mas que muitos líderes se esquecem de pôr em prática no dia a dia.

Inteligência Emocional (Daniel Goleman)

Daniel Goleman mostra-nos a visão científica das emoções de alguns dos mais confusos momentos das nossas próprias vidas e do mundo que nos rodeia. Este livro ajuda-nos a compreender o que significa trazer inteligência à emoção, e como fazê-lo. As nossas paixões quando bem exercidas têm sabedoria e guiam o nosso pensamento e os nossos valores. Contudo, às vezes descontrolam-se e fazem com que nos sintamos perdidos. Tal como Aristóteles bem viu, o problema não é a emocionalidade, mas no sentido da emoção e das expressões. A questão importante é: como trazer inteligência às nossas emoções, e civismo às nossas ruas e solicitude à nossa vida em comunidade?» A leitura deste livro é obrigatória para todos os líderes que querem ser, acima de tudo, humanos para com as suas equipas.

O Príncipe (Nicolau Maquiavel)

Dedicado a Lourenço de Médicis, o Magnífico, Il Principe do Renascimento por excelência, Maquiavel escreveu uma das obras ainda hoje considerada fundamental no estudo da filosofia política e para as relações nas organizações. Mais que um tratado sobre as condições concretas do jogo político, este livro é um estudo sobre as oportunidades oferecidas pela fortuna, sobre as virtudes e os vícios internos ao comportamento dos governantes. Apesar de publicado no século XV, mantém-se ainda muito atual.

A Disciplina Rara para atingir resultados (Larry Bossidy)

Este livro mostra-nos como atingir mais facilmente os resultados a que nos propomos. Unir pessoas, estratégias e operações é o segredo dos negócios bem sucedidos. Os líderes não devem apenas formular uma visão e deixar que sejam os outros a executá-la. Este livro mostra-nos a importância do envolvimento de todos os colaboradores das empresas, exaltando a necessidade da boa comunicação. É um livro muito importante para todos aqueles que desejem comunicar eficazmente com as suas equipas.

Gestão da emoção (Augusto Cury)

Os líderes não são feitos apenas de conhecimento técnico. A inteligência emocional é muito importante para que se tenha um bom desempenho em qualquer área, para se destacar da concorrência e para manter a racionalidade em momentos de crise. Neste livro, Augusto Cury apresenta técnicas simples para que os leitores façam uma melhor gestão das suas emoções e para que encontrem o equilíbrio necessário para enfrentar os desafios profissionais.

O livro de ouro da liderança (John Maxwell)

Este livro é considerado por muitos “a bíblia da liderança”. É uma referência tanto para os novatos como para os líderes mais experientes. Tem uma linguagem simples e exercícios muito úteis, resultando num verdadeiro curso de liderança. É um livro para ler, reler e voltar sempre que se sinta com dúvidas ou inseguranças.

 

Conheça os 7 pecados capitais da era digital

Conheça os 7 pecados capitais da era digital

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

A transformação digital é um dos temas do momento e é impossível que uma empresa passe ao lado desta revolução. As empresas procuram continuamente soluções digitais que facilitem os seus processos de negócio e que sejam capazes de dar resposta a todas as suas necessidades. No entanto, nem sempre é fácil adaptar o trabalho de uma empresa a uma realidade digital e existem muitos erros que complicam a performance empresarial. No artigo de hoje, vamos abordar os 7 pecados capitais da era digital e dar dicas para que os possa evitar no seu negócio!

Não planear a implementação de tecnologias

Antes de partir para a implementação de uma estratégia digital é essencial avaliar as necessidades da empresa e os principais objetivos que a empresa pretende alcançar com a mudança. A transformação digital não é a cura para todos os problemas do negócio, mas se for bem implementada vai ajudar a melhorar o desempenho e a aumentar o sucesso. Muitas vezes, as empresas cometem o erro de adotar todas as tecnologias que encontram sem planear efetivamente o percurso digital que pretendem percorrer.

Complicar todos os processos

A maior parte das empresas complica a forma de trabalhar. A transformação digital traz consigo a metodologia ágil, que pretende aumentar a qualidade do serviço ao Cliente. Os softwares escolhidos devem ser intuitivos e bastante fáceis de atualizar, para que os utilizadores consigam usá-los sem ter que recorrer a técnicos especializados. Na hora de escolher um software, a eficácia e a simplicidade devem ser dos fatores mais importantes a ter em consideração.

Não envolver todos os colaboradores

Muitas vezes, os colaboradores resistem à mudança e isso acontece porque sentem que não são envolvidos em todo o processo de transformação digital. É importante mostrar a toda a equipa as vantagens da mudança, sobretudo vantagens diretamente relacionadas com o trabalho de cada um. A comunicação é essencial para que a transformação digital seja bem implementada.

Não integrar a transformação digital na estratégia global

Esta transformação deve fazer parte da estratégia global da empresa, pois só assim terá sucesso. É essencial saber onde a empresa pretende chegar, desenhar um processo de transformação e integrar esse plano na estratégia geral da empresa. As equipas devem trabalhar em conjunto rumo à modernização de processos nesta nova era digital.

Não contar com o apoio do CEO

É importante contar com o apoio da liderança e com o seu comprometimento na implementação da estratégia digital. A liderança deve estar empenhada no aumento do conhecimento aos seus colaboradores e participar ativamente na disseminação da nova cultura. Só através dos bons exemplos é que os colaboradores se sentirão empenhados e com vontade de adotar uma nova filosofia de trabalho.

Não dotar a equipa de novas competências

A transformação digital trouxe a necessidade de formar os colaboradores para novas competências. É muito importante que as equipas sejam formadas para esta nova forma de trabalhar, pois caso contrário sentir-se-ão frustradas por pensarem que não são capazes de abraças os novos desafios da nova era digital.

Não eleger um responsável pela transformação

O responsável pela transformação digital deve trabalhar no sentido de implementar esta nova filosofia de trabalho de forma contínua e consistente. Apesar deste processo ser comum a toda a organização, é importante que exista um responsável pela transformação digital que coordene todas as atividades e que envolva todas as pessoas.

5 Ferramentas que facilitam a comunicação entre departamentos

5 Ferramentas que facilitam a comunicação entre departamentos

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

A maior parte das empresas preocupa-se em comunicar eficazmente para o exterior, mas muitas vezes esquecem-se de comunicar internamente. A comunicação interna é a base de toda a ação da empresa, pois se os diversos departamentos não comunicarem entre si, é impossível passarem uma imagem de coesão para o público e torna-se muito complicado atingir os objetivos. No dia-a-dia empresarial tão agitado, nem sempre é fácil conseguirmos comunicar com todos os colegas, mas existem ferramentas que facilitam essa tarefa. Hoje apresentamos 5 ferramentas que facilitam a comunicação entre departamentos!

Google Drive e/ou Dropbox

Trabalhar com estas plataformas melhora muito a comunicação e a interação entre as equipas, na medida em que os documentos são trabalhados na nuvem e ficam guardados automaticamente, sendo muito mais fácil a partilha entre todos os membros da equipa. O uso destas ferramentas também garante que os documentos não se perdem em pen drive e discos externos, estando sempre salvaguardados na nuvem.

Whatsapp

O Whatsapp é uma ferramenta muito importante para as equipas de trabalho, pois permite-nos criar grupos, trocar opiniões e partilhar documentos. Como é uma ferramenta para ser utilizada no telemóvel, é possível estarmos a par de tudo o que se passa, mesmo que se esteja fisicamente ausente do escritório.

Slack

O Slack é bastante utilizado pelas empresas de tecnologia. Nesta aplicação é possível conversar individualmente, criar grupos, equipas e partilhar ficheiros. Também permite a integração com outras ferramentas, como a Dropbox, Google Analytics ou Twitter. Permite ainda criar questionários dentro da aplicação, facilitando a troca de ideias e a partilha de opiniões por todos os membros da empresa.

Bananatag

Esta ferramenta é essencial para quem envia muitos e-mails por dia para as equipas. O Bananatag é um complemento para a caixa de e-mail, que indica se as mensagens foram entregues, quais e-mails foram abertos e quem clicou nos links e anexos enviados. Esta ferramenta pode ser integrada no Outlook, Gmail e nos serviços de e-mail mais utilizados.

Trello

Esta é uma aplicação de gestão e acompanhamento de tarefas. É dividida em quadros onde se podem definir tarefas por equipas. É também possível criar listas de tarefas e atribuí-las a cada colaborador. Ao longo da execução das tarefas, o estado de cada item é atualizado, sendo muito fácil perceber em que ponto da execução cada tarefa se encontra.

Dica extra:

O Multipeers é um sistema de monitorização do negócio que permite analisar ao minuto o que se passa na empresa. É um sistema BAM que nos dá informação sobre o estado de cada departamento, pois condensa a informação das diversas fontes de dados numa só plataforma. Deste modo, é mais fácil para os gestores saberem o que se passa em cada departamento, melhorando a comunicação entre todos e permitindo que se apliquem melhorias e correções!

 

5 motivos para a sua empresa investir em sistemas integrados de gestão

5 motivos para a sua empresa investir em sistemas integrados de gestão

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Os sistemas integrados de gestão estão a ser cada vez mais utilizados nas organizações, pois permitem uma gestão global da empresa por meio da integração de diferentes departamentos e fontes de informação. Estes sistemas consistem num conjunto de partes interligadas com vista a produzir resultados, transformando uma estratégia em operações. Estes sistemas procuram a melhoria contínua de todos os processos da organização, com o objetivo de maximizar o desempenho. Neste artigo, apresentamos-lhe 5 motivos para a sua empresa investir em sistemas integrados de gestão!

Integração de toda a informação

Tem noção de quantos sistemas, ficheiros de Excel e softwares utiliza atualmente para controlar o seu negócio? A maioria das empresas não utiliza um sistema integrado de gestão, mas sim diversas formas, independentes entre si, de tratar a informação. Esta forma de trabalhar prejudica a gestão e a tomada de decisões, pois não existe um conhecimento global do estado da empresa e se o gestor quiser saber ao pormenor tudo o que se passa, terá que consultar um grande número de fontes de informação, o que consome muito tempo. O uso deste tipo de sistemas vai integrar todas as áreas da empresa e diminuir os erros administrativos. Vai ainda dotar os gestores e tomadores de decisão de uma visão 360 graus.

Redução de custos e aumento do lucro

Esta é a vantagem que mais agrada todos os gestores! A eficiência operacional aumenta após a implementação de um sistema integrado de gestão, pelo que a empresa terá mais oportunidades de se focar no relacionamento com os clientes e de desenvolver inovações para se destacar da concorrência. A produtividade dos colaboradores aumenta e a qualidade dos serviços prestados também, pelo que o lucro será maior a curto prazo. Também existe uma menor probabilidade de errar, pelo que os custos a longo prazo serão menores.

Melhor gestão dos recursos humanos

Possivelmente, muitos dos colaboradores da sua empresa desempenham tarefas diariamente que podem ser automatizadas. Muitos colaboradores desempenham no seu dia-a-dia tarefas administrativas que não acrescentam valor para a empresa. Ao desempenharem este tipo de tarefas, é comum que os colaboradores se sintam desmotivados. Os sistemas integrados de gestão permitem que as pessoas desempenhem tarefas mais estratégicas e relevantes, o que valoriza o seu trabalho e melhora o seu desempenho!

Maior acompanhamento financeiro

Já não é possível acompanhar manualmente as finanças da sua empresa e, certamente, terá diversos ficheiros de Excel e documentos digitais que facilitam essa tarefa. Contudo, num sistema integrado, é possível acompanhar os custos e ganhos da empresa e não é necessário inserir manualmente dados financeiros pois o sistema tem acesso a todas as fontes de dados da empresa, o que elimina a necessidade de intervenção humana.

Melhoria de todos os processos

Uma empresa que usa um sistema integrado de gestão consegue padronizar os processos, eliminar os processos manuais e diminuir o tempo de execução das tarefas. No final, a vantagem será global e a empresa conseguirá melhores resultados!

Faça download do nosso e-book e saiba como um sistema BAM o pode ajudar a gerir melhor o seu negócio!

Os 4 indicadores mais importantes de desempenho financeiro

Os 4 indicadores mais importantes de desempenho financeiro

Posted on Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Conhecer a saúde financeira de uma empresa é essencial para que o gestor possa tomar as decisões mais acertadas para o negócio. Deve existir um acompanhamento em tempo real dos indicadores mais importantes de desempenho financeiro, para que eventuais desvios possam ser corrigidos antes de terem um impacto significativo nos resultados empresariais. Neste artigo, damos-lhe a conhecer os 4 indicadores mais importantes de desempenho financeiro!

Rentabilidade

Este indicador é muito importante para o desempenho financeiro da empresa e revela o valor do retorno do capital que foi investido na empresa. É importante percebermos regularmente se os investimentos que estamos a fazer estão a trazer resultados positivos para a empresa. Este indicador é muito fácil de calcular, pois basta dividir o resultado líquido da empresa pelo total do ativo. Por exemplo, se o gestor investiu €10. 000 nos ativos do negócio e teve um retorno de €1.500, significa que teve uma rentabilidade de 15%. Muitos gestores não analisam com frequência este indicador, o que faz com que continuem a investir em áreas que não trazem qualquer resultado positivo para a empresa.

Prazo médio das cobranças

Este indicador dá-nos informações sobre os recebimentos diretos da empresa num determinado período de tempo e mostra-nos que clientes pagam dentro do prazo, quais clientes são responsáveis pela maior parte dos recebimentos e quais são os incumpridores. Esta informação é essencial para que perceba o fluxo de caixa e permite-nos avaliar se a faturação é viável para que o negócio se sustente no tempo e dá-nos informação relevante para percebermos se devemos suspender a prestação de serviços a clientes altamente endividados para com a nossa empresa.

Ponto de equilíbrio

Também conhecido como ponto crítico de vendas, este indicador dá-nos o valor mínimo necessário de vendas para cobrir todos os custos da empresa sem haver prejuízo. O ponto de equilíbrio atinge-se quando as vendas igualam os custos e as despesas totais, não havendo lugar para lucro nem para prejuízo. Para calculá-lo, basta apenas somar as despesas fixas mais as variáveis e dividir pela percentagem da margem de contribuição. Este indicador ajuda a empresa a saber exatamente o mínimo que precisa de vender para não dar prejuízo e é impossível definir objetivos de vendas sem conhecer este valor.

Liquidez

A equação entre o ativo e o passivo circulantes de uma empresa dão origem ao índice de liquidez corrente, que nos indica a capacidade que a empresa tem para cumprir com as suas obrigações a curto prazo. Para chegar a este valor, é necessário dividir o ativo pelo passivo e o ideal é que o resultado seja superior a 1. Se for igual a 1, significa que há muita dificuldade em obter lucro e se for inferior a 1 significa que o negócio não está a ser rentável e que não existe capacidade financeira para cumprir com as obrigações no curto prazo.

Analisar o desempenho financeiro através indicadores de negócio em tempo real é essencial para que tome as decisões mais acertadas para o seu negócio, conseguindo obter desta forma um maior lucro e ter um negócio mais rentável. Conheça o Multipeers e saiba como pode ajudá-lo a gerir!