5 atitudes que podem levar sua empresa ao topo

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

No mundo das empresas todo mundo fala sobre sucesso, em atingir seus objetivos e em ser bem-sucedido. O que pouca gente diz é que para uma empresa conquistar estabilidade e respeito ela deve trilhar um longo caminho. Não existe regra mágica para o sucesso, mas algumas atitudes e ações podem garantir maiores chances de vitória num mercado cada vez mais competitivo. Baseando-se nas melhores práticas empresariais, selecionamos 5 atitudes que diferenciam as empresas de sucesso das demais. Confira a seguir:

1 – Seja competente

Há uma frase muito famosa no mundo da gestão empresarial que diz: “É preciso muita coragem para fazer diferente e muita competência para fazer a diferença”.  Ser competente é bem mais do que ser original ou fazer bem feito. A competência está diretamente ligada a capacidade de uma empresa em ir além, oferecendo mais do que os seus clientes esperam. Há muitas boas empresas, mas somente os negócios verdadeiramente competentes se tornam referência. Apple, Microsoft, Google ou aquele restaurante que você sempre vai numa ocasião especial tem em comum o fato de que a competência transcende o tamanho, estilo ou capital de uma empresa. A competência dialoga com a paixão com que o seu negócio oferece seus produtos e a forma como lida com sua gestão.  Definir-se como competente atrai não apenas a fidelidade dos clientes, mas também o respeito e a admiração dos concorrentes.

2 – Saiba lidar com o fracasso

Qualquer tentativa de simplificar o sucesso é inútil. Não há sucesso sem uma boa dose de fracasso. Muito mais do que um objetivo, o sucesso é o resultado de um complexo jogo de tentativa e erro. Empresas que atingiram o êxito possuem um histórico de falhas, deslizes e problemas superados. O problema não está em falhar, mas em se acostumar com o erro. Negócios de sucesso jamais transformam o erro em regra, mas convertem os problemas de percurso em novos caminhos. Empresas vitoriosas são aquelas que encontram oportunidade em situações onde outros negócios simplesmente desistiriam. O segredo para saber lidar com o fracasso é reconhecer seus pontos fracos, fortalece-los e evitar repetir os mesmos tropeços. Toda derrota possui uma lição que pode levar sua empresa a um caminho melhor e mais bem-sucedido.

3 – Saiba lidar com o sucesso

Você certamente deve se lembrar de alguma empresa que sucesso que simplesmente decaiu depois de atingir o auge. O mundo dos negócios está cheio de exemplos assim. Pode parecer estranho, mas a maioria das empresas simplesmente não está preparada para lidar com o sucesso. Muitas empresas buscam tanto alcançar o êxito que, ao atingirem o que buscam, não sabem como administrar isso. O guru do mundo dos negócios Warren Buffet costuma dizer: “Se você acertou, pare de tentar.” Muitas empresas confundem inovação com desperdício de boas ideias e perdem muito dinheiro tentando reinventar a roda, quando já possuem um ótimo produto ou serviço em mãos. Algumas vezes é preciso apenas colher o momento e simplesmente aproveitar os frutos do sucesso, sem a necessidade de desfazer um projeto em troca de outro. Se sua empresa atingiu as metas, se seus clientes estão satisfeitos e seus funcionários são produtivos, aproveite. Aprimore suas ideias, busque inovações que dialoguem com seu o estilo de gestão e não desperdice a chance de obter certa estabilidade por conta de um ideal de constante insatisfação. Estar plenamente satisfeito não é acomodar-se, mas faz parte do jogo empresarial.

4 – Saiba realmente o que os seus clientes querem

É impossível obter sucesso sozinho, este é um fenômeno que está ligado às pessoas ao redor. O mesmo vale para as empresas. Negócios dependem de muitos fatores para obter suas conquistas, mas os clientes são o coração de qualquer tipo de empreendimento. Muitas empresas comentem o risco de buscarem sucesso criando produtos e serviços para o mercado e se esquecem que o mercado é feito por pessoas. Não existe chance de êxito para um empreendimento que não ouça seus clientes. Entenda o que eles precisam, quais são seus problemas, desejos e objetivos. A satisfação pessoal de seus consumidores está diretamente relacionada ao sucesso de sua empresa. Crie produtos e serviços que realmente melhorem a vida de pessoas. Com isso sua empresa obterá mais do que sucesso, ela será inesquecível.

5 – Esteja sempre um passo adiante

O maior veneno contra o sucesso é a falta de inovação. Empresas acostumadas a operarem sempre do mesmo modo, dentro da mesma rotina, dificilmente descobrem novos caminhos. A dica é utilizar ferramentas que modifiquem, para melhor, a forma de gestão de seu negócio, maximizando sua produtividade e elevando a qualidade de seus produtos e serviços. Uma forma de dar um passo à frente na hora de administrar sua empresa é investir em um programa de automação comercial (os chamados ERP). Com um ERP sua empresa passa a gerenciar, de modo centralizado e informatizado, setores como contas a pagar e receber, controles de estoque, cadastro de clientes, fornecedores, fluxo de caixa, folhas de ponto e muito mais. Com o ERP da GestãoClick sua empresa contará ainda com o que há de mais moderno no mundo dos sistemas de automação comercial, com um sistema 100% integrado em nuvem, o que garante maior acessibilidade e segurança na hora de armazenar os dados de sua empresa. O importante é sair da rotina e investir em modelos de gestão eficientes para manter o seu negócio relevante.

Resumindo:

A definição de sucesso depende das metas propostas por sua empresa. Com dedicação e foco é possível trilhar um caminho promissor, tornando seu negócio relevante e fidelizando seus clientes. A dica principal é criar um plano de gestão baseado nas atitudes que vimos aqui: competência, capacidade de lidar com fracassos, maturidade para lidar com o sucesso, proximidade com o cliente e inovação.

Guestpost by Gestaoclick

 

Como é o processo de tomada de decisão nas empresas de sucesso?

Como é o processo de tomada de decisão nas empresas de sucesso?

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Decisões, decisões e mais decisões: é assim o dia-a-dia de um gestor. Qualquer decisão interfere no sucesso (ou insucesso) do negócio, pelo que é fundamental ter conhecimento adequado e atualizado no momento de decidir. As decisões devem ser tomadas de modo consciente, pois quando decidimos intuitivamente, sem dados e factos concretos, poderemos estar a prejudicar seriamente o nosso negócio. No artigo de hoje, vamos perceber como é o processo de tomada de decisão nas empresas de sucesso!

Primeira etapa: identificação do problema

Numa grande parte das situações, a tomada de decisão tem como objetivo resolver um problema. Assim, é preciso identificar a sua origem e listar todas as possíveis soluções. Esta etapa parece básica mas é uma das mais importantes, pois vai dar-nos os dados necessários para sabermos qual caminho escolher. No final, a decisão tomada terá que estar de acordo com o problema identificado. Se isso não acontecer, a decisão tomada poderá ser completamente ineficaz para as necessidades da empresa.

Segunda etapa: recolha de dados

Nesta etapa, é importante fazer uma recolha dos dados necessários para tomar a decisão. É aqui que se faz uma análise completa da situação. Cada vez mais, os gestores precisam de ter acesso aos dados em tempo real. Soluções como o Multipeers permitem que o gestor tenha acesso a todas as informações oriundas de todas as fontes de dados da empresa. Este cenário é o mais indicado para que a decisão tomada seja a correta para o negócio, uma vez que o gestor sabe, a cada momento, exatamente aquilo que se passa no seu negócio. A informação em tempo real é cada vez mais uma necessidade e uma realidade nas empresas de todo o Mundo.

Terceira etapa: avaliar todas as hipóteses

Antes de tomar uma decisão, o gestor deve identificar e analisar pormenorizadamente todas as alternativas disponíveis. O mesmo problema pode ter várias soluções e o gestor deve contar com a ajuda da sua equipa para escolher o melhor caminho a seguir. Deste modo, não só a empresa ganha pois a opinião de todos será, certamente, melhor que a de uma pessoa só, como os colaboradores se sentirão mais motivados pois sentem-se parte integrante do processo.

Quarta etapa: decisão e acompanhamento

A última etapa é escolher a alternativa mais adequada à realidade da empresa. Contudo, o processo de decisão não deve ficar extinto no momento em que se decide. Para que haja uma evolução positiva do negócio, todas as decisões devem ser acompanhadas continuamente, de modo a perceber se realmente foi a decisão certa para o negócio e para aplicar alterações caso sejam necessárias.

Analisar os dados em tempo real é cada vez mais uma realidade nas empresas em todo o Mundo. Os negócios acontecem a um ritmo muito acelerado e é essencial que saiba o que está a acontecer na sua empresa para conseguir tomar as decisões mais adequadas para o seu negócio.

Conheça as vantagens do sistema BAM e saiba como estas ferramentas podem ajudar o seu negócio!

 

Conheça os principais indicadores industriais e saiba como podem ajudá-lo no dia-a-dia

Conheça os principais indicadores industriais e saiba como podem ajudá-lo no dia-a-dia

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

“O que não pode ser medido não pode ser controlado”: esta frase faz todo o sentido no mundo dos negócios e, cada vez mais, os gestores têm a consciência de que é necessário avaliar cada uma das suas ações. Só com um acompanhamento efetivo de tudo aquilo que se passa num negócio é que é possível aplicar medidas de melhoria e conseguir níveis elevados de performance. Os KPI – key performance indicadores – são fundamentais no processo de gestão, avaliação e de melhoria contínua de um negócio. No artigo de hoje, vamos falar sobre os principais indicadores industriais e explicar como podem ajudá-lo no dia-a-dia!

Indicadores de Produção

Em qualquer indústria é fundamental que exista uma monitorização contínua da produção, com o objetivo de analisar a sua eficiência e tempo de atividade. Os indicadores de produção, quando bem aplicados, ajudam a reduzir os custos produtivos, a melhorar os níveis de produtividade e a aumentar o lucro. Alguns dos indicadores de produção mais utilizados são os seguintes: número de produtos produzidos, tempo de inatividade de uma máquina ou de um colaborador e horas trabalhadas na produção.

Indicadores de Pedidos

Estes indicadores dão-nos informações sobre stocks, liquidez, inventários, entre outros aspetos. São indicadores que nos permitem ter uma visão global sobre aquilo que temos no momento para venda, quais os pedidos que falta concluir e qual a nossa rentabilidade financeira. Os principais indicadores deste tipo são: volume de negócios, percentagem de encomendas não cumpridas, índice de inventário para vendas e percentagem de encomendas entregas no tempo devido.

Indicadores Económicos

Os indicadores económicos são transversais a todas as atividades e têm um peso muito significativo para a indústria. Estes indicadores dão-nos todas as informações relativas à saúde financeira do negócio. Os principais indicadores nesta área são: margem de contribuição, percentagem de lucro, ponto de equilíbrio económico, EBITDA, ticket médio e amortizações.

 

Como é que estes indicadores me podem ajudar no dia-a-dia?

  • Informação relevante para decisões conscientes: os KPI’s fornecem muita informação sobre a empresa e nessa medida tornam a tomada de decisão mais eficiente e mais fácil. Os gestores queixam-se frequentemente da falta de informação sobre a empresa para poderem decidir de forma consciente e estes indicadores de desempenho ganham um papel de destaque no momento de tomar decisões sobre o futuro da empresa. Os gestores só conseguem tomar decisões assertivas e acertadas se tiverem um total conhecimento sobre a realidade empresarial. E nada melhor que KPI’s para fornecer todo esse conhecimento.

  • Objetivos mais realistas e mais facilmente cumpridos: analisar o desempenho de uma empresa de forma constante garante que se dedique uma maior atenção ao cumprimento dos objetivos. Um processo eficiente deve ser planeado e controlado. O acompanhamento contínuo do desempenho assume um papel de grande relevância no planeamento e posterior controlo, pois fornece informações sobre processos desenvolvidos pela organização. A eficácia de qualquer estratégia de controlo depende em grande medida da correta adequação das métricas de desempenho desenvolvidas e dos KPI’s.

  • Mais conhecimento sobre a estratégia empresarial: é fundamental que cada colaborador da empresa ou organização conheça os seus KPI’s e que estes sejam atualizados com alguma frequência. “Se não soubermos para onde vamos, qualquer caminho serve”: o mesmo se aplica nas empresas. Se não tivermos consciência dos resultados que devemos atingir com o nosso trabalho, poderemos fazer qualquer coisa, e isso possivelmente não estará em linha com os objetivos gerais da organização. Definir os indicadores de cada colaborador e fazer a ligação com o sistema de monitorização é essencial para que se obtenha uma visão global e integrada do estado da empresa e do desempenho de cada um. É importante ainda referir que cada colaborador deve ter acesso apenas aos indicadores importantes para a prossecução do seu trabalho, de modo a ter um dia-a-dia mais focado e organizado.

Ter uma visão mais ampla é fundamental para conseguir acompanhar o negócio e tomar decisões acertadas. No dia-a-dia empresarial agitado de hoje em dia e com as exigências cada vez maiores dos consumidores, ter conhecimento sobre o mercado é uma arma obrigatória para se vencer. Faça download do nosso e-book sobre monitorização do negócio e saiba como um sistema BAM pode ajudar a sua empresa a crescer de modo sustentado!

5 erros comuns no tratamento da informação que precisa de eliminar já

5 erros comuns no tratamento da informação que precisa de eliminar já

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

A informação é o bem mais valioso das empresas. A cada dia que passa, as empresas armazenam mais dados que precisam de ser tratados para que forneçam os inputs necessários a uma tomada de decisão eficaz e consciente. Quando a informação não é bem tratada e analisada, o mais provável é a empresa tomar decisões erradas que vão prejudicar o seu funcionamento. Assim, é essencial saber como lidar com a informação e é preciso eliminar todas as barreiras que impedem o bom tratamento dos dados. No artigo de hoje, apresentamos os 5 erros mais comus no tratamento da informação que precisa de eliminar já!

Erro nº1: Trabalhar sem objetivos

No mundo empresarial atual, que é tão competitivo, é muito importante que as empresas definam objetivos gerais e específicos, pois só deste modo saberão qual estratégia seguir para alcançarem os resultados pretendidos. Cada colaborador deve trabalhar com kPI’s específicos e adequados à sua função, pois só desta forma serão capazes de avaliar os dados e transformá-los em informação útil e benéfica para a prossecução do seu trabalho.

Erro nº2: Não acompanhar a rápida evolução tecnológica

Atualmente, a tecnologia evolui a uma velocidade alucinante, o que faz com que as empresas enfrentem constantemente o desafio de estarem atualizadas. Hoje em dia, a análise em tempo real é já uma realidade em muitas empresas. Se há uns anos era suficiente saber o que se passava na empresa uns dias depois dos acontecimentos, hoje essa realidade está completamente alterada. Analisar a informação empresarial em tempo real é o primeiro passo (e podemos arriscar dizer que é o mais importante) para conseguir decidir com consciência e de forma eficaz. Muitas empresas ainda cometem o erro de basear a sua atuação em relatórios com alguns dias. Sistemas como o Multipeers são cada vez mais imprescindíveis no mundo empresarial atual.

Erro nº3: Dar o mesmo acesso a todos os colaboradores

Este erro está ligado à segurança da informação, que é um dos aspetos mais importantes, mas que as empresas ainda descuram bastante. A informação da empresa não deve estar acessível a todos os colaboradores da mesma forma. Cada colaborador deve ter acesso apenas à parte da informação que precisa para desempenhar o seu trabalho. Isto vai fazer com que o colaborador se consiga focar mais facilmente e, ao mesmo tempo, vai permitir descobrir a origem de uma eventual fuga de informação.

Erro nº4: Não fazer backup dos dados

Parece um conselho muito básico, mas infelizmente muitas empresas não têm ainda implementado uma política séria de backup.Vivemos num mundo cada vez mais conectado e com cada vez mais ameaças virtuais. Assim sendo, é essencial que esteja preparado para qualquer situação que possa colocar a segurança da sua informação em risco. Nos dias que correm, colocar uma senha de segurança nos seus arquivos mais importantes já não é suficiente. Fazer um backup de dados frequentemente é um passo fundamental para garantir que não vai perder dados sigilosos e de máxima importância. Além disso, é aconselhável que utilize um sistema de recuperação em caso de desastres, como o RAAS. O disaster recovery deve ser encarado como um must have nas empresas, pois é a garantia de que a informação mais importante da empresa está salvaguardada e de que a empresa continuará a funcionar corretamente mesmo quando problemas informáticos acontecem.

Erro nº 5: criar relatórios complexos

A tendência dos gestores é criar relatórios com muitas páginas e com termos complexos que dificultam a sua análise. O ideal é fazer relatórios curtos que contenham apenas a informação essencial para tomar as decisões mais acertadas para o negócio. Crie gráficos apelativos e de fácil leitura pois através destes elementos será mais fácil transmitir a sua mensagem e entender melhor os dados. Se complicar demasiado a apresentação da informação, vai desmotivar os colaboradores que tiverem que fazer a sua análise!

Controle de dados: da gestão até à contabilidade

Controle de dados: da gestão até à contabilidade

Posted 1 CommentPosted in Uncategorized

Dominar o controle de dados de uma empresa é um passo fundamental para o sucesso. Hoje vivemos na era do Big Data, onde grandes volumes de informações são processados a todo instante, auxiliando as empresas a tomarem decisões mais assertivas. O que muita gente desconhece é que dados são diferentes de informações. A informação só surge quando os dados são interpretados. Ter um grande volume de dados empresariais só significa melhor desempenho se sua empresa for capaz de converter esses dados em informações precisas e dinâmicas Pensando nisso vamos esclarecer as principais dúvidas sobre o controle de dados empresariais e de como a informatização está mudando o mundo dos negócios para melhor. Confira:

Afinal o que é controle de dados?

O controle de dados é um conjunto de ações que buscam otimizar a leitura de diferentes informações que afetam o desenvolvimento de uma empresa. Quando falamos em dados empresariais, podemos abordar diversos setores, mas o conceito de maior destaque é o Big Data.

Segundo o site Oracle Brasil[1], Big Data é:

“[…] uma estratégia de gerenciamento de informações holística que inclui e integra muitos tipos de dados e gerenciamento de dados juntamente com dados tradicionais.”

Isso quer dizer os grandes volumes de dados são triados e analisados de modo a representarem informações concretas sobre diversos setores, como comportamento dos clientes, tendências de mercado, possibilidades de investimentos e até mesmo apontando falhas operacionais em diversos setores de uma empresa.

O Big Data está diretamente relacionado aos chamados “3 Vs”:

Volume: como já diz o nome, tudo no Big Data é GRANDE. Estamos falando de uma enorme quantidade de dados, que podem ser internos ou externos ao ambiente empresarial. Um exemplo de dados internos sãos os inúmeros relatórios como compra, venda, lucros e muitos outros dados do dia a dia de um negócio.

Os dados externos podem ser representados pelo comportamento do cliente, demandas, mudanças de mercado e todas as ações que ocorrem fora da empresa, mas que afetam diretamente o seu andamento e lucratividade.

Velocidade: o Big Data se caracteriza pela enorme velocidade em que esses novos dados são criados. A cada segundo milhões de dados são lançados no mundo digital, o que exige das empresas rapidez na leitura dessas informações. As empresas que não acompanham essa velocidade acabam ficando para trás.

Variedade: assim como há um grande volume de dados, girando numa velocidade cada vez maior, há também uma grande variedade de dados, disponíveis em diferentes setores e canais.

Esses dados são disponibilizados de maneira não estruturada, ou seja, estão fragmentados em diversos modelos e precisam ser triados para que a informação faça sentido. Cada meio digital possui um tipo diferente de dados, exigindo um tipo distinto de leitura. Há dados, por exemplo, em redes sociais, e-mails, aplicativos de mensagens, sites ou até mesmo no seu setor contábil.

Como o controle de dados influencia em minha empresa?

Empresas são muitas coisas, mas acima de tudo são dados. Cada ação de sua empresa, por mais simples que pareça, representa um dado esperando por interpretação.

Durante muito tempo as empresas operaram de modo quase intuitivo, confiando apenas em informações básicas e nem sempre relevantes. Isso sempre gerou atrasos, gastos indevidos e problemas na captação de novos clientes e criação de novos produtos.

Para resolver esse problema foram criados os ERPs, software de automação comercial, integrados a diversos setores de uma empresa. Uma evolução desse processo foi a criação da integração contábil, que proporciona o envio dos dados contábeis das empresas diretamente aos seus contadores.

Vamos entender melhor essas duas ferramentas a seguir:

Controle de dados empresariais na prática

O controle de dados atua em diferentes setores de uma empresa, mas principalmente em 3 áreas: dados internos, externos e setores contábeis. Vamos conferir:

Dados internos – Softwares de automação comercial (ERP)

Os ERPs, sistemas de automação comercial que otimizam o processo de gestão, funcionam como uma central inteligente que analisa e gera relatórios sobre todos os setores de uma empresa.

Aqui estamos falando de dados internos, ou seja, de tudo o que acontece dentro de uma empresa. Fluxo de caixa, contas a pagar e receber, entrada e saída de estoque, cadastro de clientes e muitos outros setores são otimizados pela gestão automatizada realizada por um ERP.

Desta forma o ERP garante que a empresa reduza seus riscos de operações no mercado, realizando o controle de dados com relatórios otimizados e dinâmicos.

Uma empresa pode controlar melhor seus gastos, calcular melhor suas margens de lucro, seu fluxo de vendas ou ainda controlar a folha de ponto de seus funcionários. Tudo isso dentro do ambiente digital do ERP.

O ERP proporciona ainda uma melhor gestão dos clientes e fornecedores. Através de relatórios detalhados é possível cadastrar e acompanhar a movimentação em cada um desses setores, apontando eventuais falhas e promovendo correções.

O ERP acaba com o controle manual, gerando uma maior eficiência dos processos de controle de dados. Os modelos de ERP mais modernos contam com a tecnologia em nuvem, onde os dados empresariais são armazenados com segurança no servidor do sistema. A principal vantagem deste modelo é que os dados podem ser analisados em tempo real, sem a necessidade de instalação de softwares e sem o risco de problemas de segurança.

Dados externos

A análise de dados externos representa a leitura e interpretação de dados fora da empresa.

Este é o campo mais complexo do Big Data, pois lida com o comportamento de diversos consumidores e as tendências do mercado. Para se obter esses dados de maneira relevante podem ser usados programas e aplicativos que avaliam a opinião dos clientes no ambiente virtual. As redes sociais também podem ser usadas como fonte de dados, realizando prospecções de mercado, enquetes e formulários de pesquisa.

Um bom sistema de CRM (Customer relationship management, ou Gerenciador de relacionamentos com o cliente) pode ser encontrado em diversos sistemas ERP, facilitando a integração dos mesmos.

Setores contábeis – Integração contábil

Durante muito tempo as empresas enviavam manualmente seus relatórios e dados para seus contadores. Esse processo está saindo de cena. A integração contábil é uma forma prática de automatizar o envio de dados de um empreendimento para seus contadores. Este é um passo fundamental para evitar erros, otimizar o tempo e garantir que a rotina contábil da empresa esteja sempre em dia.

Neste modelo de operação o ERP da empresa está conectado ao sistema do contador. A empresa deixa de gerar, imprimir e enviar os relatórios mensais (como fechamento de caixa, folhas de ponto, controle de contas) de modo manual e passa a contar com o envio de dados automático.

Isso possibilita ao contador maior eficiência em seu trabalho e poupa a empresa de ter que administrar manualmente um grande volume de informações. A integração contábil acaba ainda com o envio de informações através de diferentes canais, como telefone, e-mail ou fax.

Neste modelo o contador obtém um painel de controle detalhado, onde cada informação da empresa está disposta de maneira intuitiva e simples. Assim é possível alertar o empresário de eventuais vencimentos ou sobre o envio de documentos importantes, evitando atrasos e pendencias.

Qual sistema devo adotar para realizar um bom controle de dados em minha empresa?

Se você deseja aprimorar o controle de dados de sua empresa o GestãoClick é um dos mais eficientes sistemas do mercado. Ele atua como um poderoso ERP e ainda possui integração contábil, desta forma a análise de dados internos e contábeis de sua empresa operam dentro de um único ambiente.

O controle de dados é realizado de modo eficiente e totalmente em nuvem, garantindo o acompanhamento em tempo real e com total segurança. A principal vantagem do modelo da GestãoClick é poder contar com diversos benefícios em um só sistema. Isso representa economia, maior agilidade e integração.

 

[1] Link da citação: https://www.oracle.com/br/big-data/

 

Artigo by GestãoClick

5 Motivos para não gerir os seus dados no Excel

5 Motivos para não gerir os seus dados no Excel

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Muitas empresas usam ainda o Excel para fazer a gestão dos seus dados de vendas, marketing, entre outras áreas. Contudo, apesar de ser bastante fácil trabalhar com o Microsoft Excel, este programa tem demasiadas limitações e acaba por ser insuficiente para gerir toda a informação de uma empresa. À medida que as empresas vão crescendo, os gestores sentem a necessidade de utilizar ferramentas mais sofisticadas para gerir a informação empresarial. Mas, apesar dessa necessidade crescente, muitos gestores insistem em utilizar o Excel como ferramenta principal de trabalho e isso acontece devido à facilidade de uso e à resistência à mudança. No artigo de hoje, apresentamos-lhe 5 motivos para não gerir os seus dados no Excel!

O Excel não é seguro

O Excel é um programa gerido de forma manual, que funciona baseado em fórmulas que nem todos os colaboradores de uma empresa compreendem. Assim, gerir os dados de uma organização através do Excel pode ser bastante confuso, pois basta um colaborador alterar uma fórmula para que todos os dados fiquem adulterados. Além disso, o Excel tem uma grande lacuna a nível de segurança pois não permite criar hierarquias a nível da edição do documento, o que compromete em grande medida a segurança dos dados.

Grande consumo de tempo

Inserir os dados no Excel consome muito tempo e ocupa um recurso humano que poderia estar a dedicar-se a outra tarefa. Existem estudos que revelam que os gestores gastam cerca de 50% a 80% do seu tempo de trabalho a recolher dados e a inseri-los em programas como o Excel. O ideal é utilizar uma ferramenta como o Multipeers que junta numa só plataforma todas as informações oriundas das mais diversas fontes de dados da empresa. E tudo em tempo real e de forma automática.

Grande probabilidade de erro

Os ficheiros de Excel são tratados manualmente e por isso existe uma grande probabilidade de erro humano. No mundo empresarial, é preciso haver uma grande confiança nos dados, pois só assim se conseguem tomar as decisões certas para o negócio. Um dado inserido de forma errada no Excel pode afetar todas as informações inseridas e pode desencadear uma decisão mal tomada que prejudica seriamente a empresa.

Perigo de perda dos dados

Felizmente, já existe a opção de utilizarmos o Excel de modo online através do Office 365. No entanto, a maior parte das pessoas continua a trabalhar em ficheiros guardados no seu computador e isso compromete a segurança dos dados. Em caso de desastre informático ou ataque por parte de hackers, existe uma grande probabilidade do ficheiro se perder para sempre. Caso utilize o Excel, a melhor decisão a tomar é utilizá-lo no Office 365, para que possa gravar as alterações de modo automático e para que o ficheiro fique guardado na Web.

Falta de integração

Para gerir bem uma empresa, é necessário trabalhar com diversos ficheiros de Excel, mas é bastante complexo conseguir que eles “conversem” entre si. Existem fórmulas que permitem que um dado alterado num ficheiro tenha impacto noutros ficheiros, mas isso torna os documentos muito pesados e por vezes não funciona corretamente.

Estarão as empresas prontas para adoptar a tecnologia RPA? (parte 2)

Estarão as empresas prontas para adoptar a tecnologia RPA? (parte 2)

Posted Leave a commentPosted in Internet e Marketing

Por Adriano Ribeiro, CEO & partner bwd e Rui Raposo, CCO & partner bwd

Pode ler aqui a primeira parte do artigo.

E que vantagens/benefícios são geradas pela passagem destas tarefas humanas para os robôs?

Desde logo, as pessoas acolhem esta tecnologia porque odeiam as tarefas que os sistemas passam a fazer, aliviando-as da crescente pressão do trabalho.

Outra vantagem imediatamente reconhecida pelos utilizadores destas soluções RPA é o aumento significativo da produtividade da organização, dado que os colaboradores são libertados de tarefas altamente consumidoras de tempo para passarem a realizar tarefas mais estimulantes.

Adicionalmente podemos acrescentar como vantagens das soluções RPA:

  • a elevada escalabilidade das operações sem necessidade de aumento da força de trabalho;
  • a eliminação de atividades relacionadas com recolha de dados manual e erro humano;
  • o acompanhamento da velocidade do negócio, devido aos ganhos de celeridade que a solução permite obter;

Tudo isto sem qualquer utilização de código, permitindo às equipas das várias áreas de negócio a criação autónoma dos robôs para as tarefas que desejarem automatizar, com a obtenção rápida de aumento da eficiência operacional.

A adoção destas soluções de RPA representa um investimento reduzido?

Sim, e sendo um investimento reduzido, embora variável, o seu retorno é sempre inferior a um ano. Então, se uma ferramenta RPA é barata e adicionalmente não exige grandes competências de TI para implementar, a sua implementação acaba por ser um no-brainer.

A implementação de soluções RPA é, de facto, simples permitindo a obtenção de resultados muito rápidos.

Isto é particularmente importante quando, como sabemos, nas nossas organizações muitas vezes, o negócio quer algo relativamente pequeno, mas o departamento de TI tendo peixes maiores para fritar, coloca estas solicitações e matérias em último lugar.

Uma vez tomada consciência desta realidade, a única grande preocupação quanto à implementação desta soluçoes RPA tem a ver com os efeitos disruptivos. Por este motivo, é frequente encontrarmos equipas de TI em negação sobre RPA e o que ele pode fazer.

A solução está na utilização de um parceiro competente na implementação destas soluções que consegue entender todos os impactos que estas abarcam para a estrutura de TI,  em total sintonia com as equipas de TI e garantindo que a solução de RPA desenhada está convenientemente inserida na estratégia global de TI. 

Estas soluções integram facilmente com os sistemas de informação das organizações?

Esta é outra das vantagens na implementação destas soluçõesa sua simples e fácil integrabilidade com qualquer arquitetura de sistemas legacy ou não legacy.

É muito interessante que a adoção programas de automação, por serem tecnologias neutras, permite que as organizações mantenham um elevado ritmo de modernização com a internalizaçao dos rápidos avanços que são concretizados nesta area, contrariamente a outros investimentos de TI em que as organizações são obrigadas a repensar a sua abordagem cada vez que adotam uma nova tecnologia.

Para além desta sintonia com a estratégia de TI, a implementação de uma solução de RPA, dentro de uma estratégia de automação, por forma a ter sucesso, deve estar totalmente alinhada com a estratégia de negócios e operações.

Mais do que simplesmente automatizar uma atividade, os avanços na inteligência artificial, robótica em software, machine learning e plataformas tecnológicas inovadoras possibilitam que as empresas redefinam os seus processos, evoluindo consistentemente na modernizaçao da organização.

A automação do local de trabalho fornece por isso uma oportunidade significativa para melhorias no desempenho e na eficiência global das organizações.

Os principais objetivos identificados na adoção das tecnologias como RPA são:

  • Redução de riscos – muitas empresas automatizam os processos de para reduzir os riscos de malware e outras ameaças. Os riscos inerentes às atualizações e migrações também impulsionam as organizações para o software como serviço (SaaS) e a computação em nuvem. Finalmente, o risco de inatividade é outro driver para selecionar a nova geração de RPA, ITO, BPO e XaaS.
  • Aumento da eficiência – As empresas que abraçam a implementação de RPA costumam fazê-lo porque a automação as leva a melhorias significativas de produtividade e aumentao da flexibilidade da organização
  • Maior compliance – Registando todas as ações e identificando e removendo lacunas de dados entre várias fontes, o RPA auxilia na execução de revisões e no reconhecimento de problemas de conformidade.
  • Maior qualidade na informação disponível.

 

A metodologia aplicada na implementaçao é também fundamental. Se corretamente implementada, a automação pode fornecer enormes melhorias em todas essas áreas. Mas o saldo de benefícios pode variar com diferentes tecnologias e abordagens. O equilíbrio certo para qualquer organização dependerá de sua estratégia global e dos seus objetivos de negócio.

Os programas de automação devem por tudo isto, começar com uma clara articulação do problema. Cada projeto deve ser capaz de identificar onde e como a automação pode oferecer melhorias e mostrar como essas melhorias se vinculam à estratégia global da empresa.

Para a maximização do retorno sobre o investimento, as empresas devem ter o cuidado de não especificar, exagerar, ou gastar demais nos investimentos em automação. A escolha do nível certo de complexidade para atender às necessidades atuais e futuras previsíveis requer uma compreensão profunda dos processos e sistemas da organização.

Parece claro, pela nossa experiência, que os mais bem sucedidos projetos de implementação de soluções de RPA têm como características:

  1. A descentralização em termos de governance na gestão do projeto. A descentralização nas funções ou unidades de negócios como responsáveis pelas iniciativas de automação, com ou sem apoio de uma equipa central. Inversamente, as experiências em organizações menos bem-sucedidas são aquelas em que uma equipa central é a única responsável pela entrega de automação em toda a organização.
  2. A expansão do Buy-in na automação por toda a organização. O incentivo de um programa verdadeiramente em toda a empresa e a prossecução da adoção de tecnologias de automação cognitiva mais avançadas.
  3. O envolvimento da função de TI. O sucesso dos programas de automação também depende do envolvimento precoce da função de TI. Em primeiro lugar, as equipas de TI dessas organizações são mais propensas a ter automatizado seus próprios processos. O seu envolvimento no esforço de automação é definitivamente um diferencial no sucesso.

Em conclusão, as evidências sugerem que as soluções de Inteligência Artificial como a RPA entregam um valor real aos negócios e podem ser uma força poderosa para a disrupção. Os primeiros a adotar soluções de IA e que combinam forte capacidade digital resultante com estratégias pró-ativas têm maiores margens de lucro e destacam-se em termos de desempenho das outras empresas. Os inúmeros casos de sucessos na implementaçao em empresas de retalho, utilitities, manufatura, serviços de saúde e educação destacam o potencial da AI para melhorar a previsão e sourcing, otimizar e automatizar as operações, desenvolver marketing direcionado, gestão de preços, e melhorar a experiência do cliente.

A importância da implementação das soluções de IA como RPA numa correta estratégia digital para cada organização significa que não há atalhos para as empresas nesta matéria, caso contrário correm sérios riscos de insucesso na implementação.

As empresas não podem mesmo atrasar o início da sua jornada digital, incluindo IA. Os primeiros a adotar, criarão grandes vantagens competitivas.

Um programa bem-sucedido exige que as empresas abordem muitos elementos de uma transformação digital e analítica: identifique o caso de negócio, configure o ecossistema de dados correto, construa ou compre ferramentas de IA apropriadas e adapte processos de fluxo de trabalho, recursos e cultura.

A IA promete benefícios, mas também coloca desafios que atravessam empresas, e trabalhadores e as equipas precisam estar preparadas para explorar o RPA e resistir a competir com ele.

Por isso questionamos: A tecnologia RPA está pronta e disponível para as empresas, grandes ou pequenas, mas estarão as empresas prontas para adoptar a tecnologia RPA?

Estarão as empresas prontas para adoptar a tecnologia RPA? (parte 1)

Estarão as empresas prontas para adoptar a tecnologia RPA? (parte 1)

Posted Leave a commentPosted in Tecnologia e Gestão

Por Adriano Ribeiro, CEO & partner bwd e Rui Raposo, CCO & partner bwd

RPA é um tipo de software que imita a atividade de um ser humano na realização de uma tarefa dentro de um processo e que pode realizar tarefas repetitivas mais rapidamente, com precisão e incansavelmente, libertando os seres humanos para a realização de outras tarefas que requerem capacidades humanas, tais como inteligência emocional, raciocínio, e interação complexa com clientes ou fornecedores.

Na bwd costumamos dizer que o RPA tira o robô do ser humano.

Num processo de Back-Office, o colaborador humano “normal” tem um número elevado de tarefas repetitivas, rotineiras que são tristes e desinteressantes. Em função disso, esta nova onda de automação, via utilização de RPA, está a ser impulsionada pelas mesmas razões que trouxeram em primeiro lugar a robótica e automação para o local de trabalho: libertar os trabalhadores humanos de tarefas sujas, chatas ou perigosas; para melhorar a qualidade, eliminar erros e reduzir a variabilidade dos resultados. E ainda, claro, reduzir os custos.

Surge, no entanto, uma preocupação na mente das pessoas: poderá haver uma ligação entre a passagem destas tarefas para robôs e a redução de emprego para os humanos?

A única relação direta que pode ser estabelecida é a passagem para os robôs de tarefas repetitivas e que desperdiçam o potencial da intervenção humana. Com a utilização de robôs, os “humanos” passam a poder ser utilizados onde é necessário o pensamento humano, com todas as suas vertentes, como por exemplo a criatividade.

Mas afinal que aplicações tem o RPA – porque a sua aplicação está a crescer exponencialmente?

As organizações estão a lidar com cargas de trabalho cada vez maiores. Haverá uma quantidade exponencial de trabalho que coincide com o aumento exponencial de dados -50 por cento a mais a cada ano. Temos também o factor do aumento maciço na regulação de auditoria e na burocracia. Precisamos de automação para aliviar o stress que estas atividades criam nas organizações.

Por exemplo, as indústrias altamente regulamentadas, tais como seguros e banca, estão a descobrir que a automação é uma maneira barata e rápida de aplicar capacidade superior na resposta ao problema de compliance.

O RPA permite também um melhor serviço e maior atenção ao cliente, dado que possibilita mais poder em todo o processo. Numa organização em que as consultas de clientes são regulares, por exemplo, pode libertar pessoal para lidar com as questões mais complexas. Os seus utilizadores podem criar robôs inteligentes que imitam as ações humanas enquanto impulsionam a melhoria contínua utilizando inteligência artificial e tecnologias de machine learning. Estes robôs inteligentes interagem em harmonia com as aplicações, e com qualquer sistema legacy, portal ou base de dados, agregando dados, transformando-os em informações úteis, acionando respostas e comunicando entre sistemas organizacionais, sites da Web e aplicações de desktop. São por isso um excelente complemento ao trabalho humano.

Então que tarefas pode o robô fazer concretamente?

Os robôs podem ser utilizados em múltiplas atividades. Somente a título de exemplo, podemos elencar algumas:

Processamento de devoluções no e-commerce, tarefa que é significativamente consumidora de tempo quando executada de forma manual;

Gestão de Workflows, englobando quer a gestão de fluxos de trabalho, quer outros processos de RH, tais como a atribuição de turnos, gestão de mapas de pagamento e de licenças de colaboradores, os quais podem ser executados de forma mais produtiva pelo RPA;

Gestão do apoio ao cliente, que com o RPA é executada de forma ininterrupta, 24h por dia incluindo a automatização de processos como a recolha de feedback;

Gestão de ERP, executando integrações de sistemas centrais com sistemas de inventário e sistemas de front-office, o que garante uma gestão eficiente das atividades de logística e da cadeia de valor, bem como monitorização permanente do nível dos stocks;

Contabilidade e área financeira, incluindo processamento de pedidos e faturas, gestão de contas a pagar e contas a receber, conciliação de contas, ordens de pagamento, reports, consolidação de informações de contas entre inúmeras outras tarefas, podem ser geridas pelo RPA, como transações entre vários departamentos e divisões que necessitem de registo e de estar atualizadas e consolidadas no ERP;

Marketing e Análise do Comportamento do Consumidor, campanhas podem ser repetidas sem esforço manual, o que possibilita um ajuste nas estratégias com base na análise, ao mesmo tempo que o RPA ajudará a medir a eficácia de novas estratégias;

Planeamento da procura e oferta – uma tarefa complexa, que exige a pesquisa e a recolha de dados, formatação dos mesmos e execução de simulações, descobrir exceções, tarefas que podem ser automatizadas e simplificadas empregando tecnologia RPA;

Logística e Gestão da Cadeia de Valor – a automação de e-mails pelo RPA significa a possibilidade de executar-se de forma automática o envio de um email ou texto quando um pedido é reservado, enviado, atrasado ou entregue, sendo este também muito útil na manutenção dos níveis de stocks e criação de notificações quando os produtos atingem níveis extremamente baixos ou limiares. Depois de avaliar os pedidos anteriores, a RPA pode ajudar a determinar os níveis ideais de pedidos para melhorar a aquisição, reduzir custos e reduzir o desperdício.

As tarefas não estão confinadas ao tratamento de dados?

Recolha e tratamento de dados estão entre as funcionalidades imediatas do RPA, no entanto, as tarefas de análise e processamento inteligente são ilimitadas.

 

(continua…)

Como aumentar a inteligência operacional do seu negócio

Como aumentar a inteligência operacional do seu negócio

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

A inteligência operacional é uma nova forma de analisar o negócio e de encontrar respostas para os desafios que as empresas enfrentam todos os dias. Este conceito está muito ligado à tecnologia e aborda a análise de dados para que estes permitam tomar decisões baseadas em informação em tempo real. O principal benefício do uso da inteligência operacional é a possibilidade de abordar os problemas e as oportunidades no exato momento em que surgem (em alguns casos, é possível antecipar tendências e problemas, solucionando-os antes que causem estragos ao negócio). Isto faz com que os gestores tomem decisões mais conscientes e com base em informação fidedigna, o que consequentemente vai aumentar a eficácia do negócio, conduzindo-o a melhores resultados. Mas como aumentar a inteligência operacional do seu negócio? É sobre isso mesmo que este artigo se foca! Confira as nossas dicas!

Automatize tudo o que for possível

Uma das vantagens mais importantes da inteligência operacional é a automatização de tarefas. Quanto mais automatizado o trabalho estiver, mais tempo disponível os colaboradores terão para tornar o negócio mais produtivo. A automatização pode ir desde as tarefas mais simples até às mais complexas. A nível do marketing, podemos automatizar um e-mail de boas-vindas a um novo subscritor de newsletter ou até mesmo um e-mail de agradecimento por uma compra na nossa loja on-line, por exemplo. A automatização elimina as tarefas mais aborrecidas que os colaboradores têm que realizar, deixando-os livres para coisas mais importantes.

Utilize um CRM

CRM é a sigla para Customer Relationship Management, ou seja, Gestão do relacionamento com o cliente e é utilizado por milhares de empresas para gerirem o seu relacionamento com os atuais e potenciais clientes. Este software tem como objetivo proteger as informações comerciais de uma empresa. Ao mesmo tempo, um CRM ajuda a identificar as melhores ações e a melhor altura para contactar o cliente, de modo a impulsionar a venda. Do mesmo modo, permite avaliar objetivos e avaliar a equipa de vendas. Um software de CRM quando é bem utilizado ajuda a aumentar a produtividade de uma empresa e reduz a probabilidade de erro por parte dos recursos humanos. A redução dos erros permite que as vendas se efetuem de uma forma mais simples e consequentemente a empresa sai a ganhar, uma vez que vê os seus lucros aumentarem. O CRM permite que nenhum contacto com um potencial cliente se perca, garantindo desta forma que tudo é feito para que a venda se concretize.

Utilize um sistema de monitorização em tempo real

Quando sabe exatamente o que se passa no seu negócio, é muito mais fácil tomar a decisão certa. Analisar o negócio em tempo real vai dar-lhe todos os inputs necessários para que possa decidir conscientemente sobre o melhor rumo a tomar. Os relatórios com alguns dias apresentam informação desatualizada, que não corresponde ao estado real da empresa naquele momento. Por isso, muitas vezes as decisões tomadas são desajustadas e não beneficiam o negócio. Monitorizar o negócio em tempo real vai mudar este cenário, pois vai ter informação fidedigna na sua mão e vai conseguir tomar decisões mais acertadas. Analisar os dados em tempo real é cada vez mais uma realidade nas empresas em todo o Mundo. Os negócios acontecem a um ritmo muito acelerado e é essencial que saiba o que está a acontecer na sua empresa para conseguir tomar as decisões mais adequadas para o seu negócio. Faça download do nosso e-book e saiba como uma ferramenta BAM o pode ajudar a gerir!

Softwares de gestão de pessoas: 5 soluções para a sua empresa

Softwares de gestão de pessoas: 5 soluções para a sua empresa

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Em um mundo tão conectado, onde as informações correm tão depressa, fica para trás quem não investir em tecnologia para automatizar e agilizar processos dentro da empresa. Hoje em dia existem diversas soluções tecnológicas para diversas áreas da administração empresarial. Nesse texto vamos te mostrar as cinco principais soluções em softwares de gestão de pessoas para você adotar ainda hoje.

Boa leitura!

1-   Softwares de recrutamento e seleção

O sistema de recrutamento e seleção de gestão de pessoas é historicamente marcado por ser um processo longo e burocrático. No entanto, hoje em dia, as empresas costumam ter uma rotatividade de colaboradores muito alta e por isso não dá para esperar meses entre a saída de um profissional e a entrada de outro para substituí-lo.

Para driblar essa burocracia, existem softwares de gestão de pessoas que já fazem esse processo de forma simples e rápida.

Esses softwares automatizam todo o processo de recrutamento e seleção: desde a divulgação da vaga, até entrevistas online e emissão de avisos e notificações para os selecionados.

Esse tipo de ferramenta é indicado para todas as empresas que desejam agilizar o processo de recrutamento e seleção.

2-   Ponto na web

Foi-se o tempo do registro de ponto em folha ou planilhas, hoje em dia é muito mais fácil fazer a gestão das horas de trabalho dos seus colaboradores através de um software de ponto eletrônico online.

Essas ferramentas auxiliam os gestores de RH desde o controle de entrada e saída dos colaboradores até outras questões como bancos de horas e período de férias, gerando indicadores importantes para a gestão de pessoas.

Além disso, não demandam os custos que a instalação de um ponto físico requer, sendo a escolha perfeita para empresas que não podem gastar muito, mas querem modernizar a forma de registro do ponto dos colaboradores.

E o melhor é que essas soluções estão dentro das legislações trabalhistas de cada país.

3-   Soluções para trabalho remoto

O trabalho remoto é uma situação cada vez mais presentes nas empresas, e pode auxiliar em questões de qualidade de vida, produtividade e clima organizacional.

Mas para isso é preciso adotar uma ferramenta que possibilite esse trabalho remoto, que possua algumas funcionalidades, como: possibilidade de comunicação a distância, compartilhamento de arquivos, atribuição de tarefas, agenda online e muito mais.

Adotar um software específico para o home office é mais seguro e colabora para a não-fragmentação da informação.

Além disso, esses softwares permitem que os gestores e profissionais do RH possam verificar as atividades realizadas, mesmo à distância.

4-   Ferramenta para apontamento de horas

Softwares de apontamento de horas permitem que os colaboradores registrem as horas trabalhadas de acordo com as tarefas executadas, indicando o tempo que eles gastaram em cada uma.

Essa ferramenta auxilia o RH a fazer divisão de custos entre os diferentes projetos que o colaborador executa e a mensurar o que toma mais tempo do seu dia.

5-   Plataforma EAD para treinamento de colaboradores

O treinamento e desenvolvimento (T&D) de colaboradores é uma das principais demandas de um setor de gestão de pessoas.

As práticas de T&D são responsáveis por efetivamente proporcionar o desenvolvimento de colaboradores e fazer com que eles ajudem a empresa a atingir seus objetivos estratégicos e, consequentemente, sua visão de futuro.

No entanto, muitas empresas têm dificuldade em fazer o treinamento e desenvolvimento acontecer porque envolve conciliar o tempo de colaboradores, gestores e instrutores de T&D ou ainda arcar com a logística de deslocar as pessoas até um lugar específico para fazer isso.

E alguns softwares podem ajudar com isso, como: plataformas EAD (ensino a distância) para treinamento e desenvolvimento de colaboradores.

Com elas é possível hospedar conteúdos na plataforma online, assim os colaboradores podem acessar em qualquer hora ou lugar.

Essas plataformas também podem emitir relatórios completos do desempenho dos colaboradores, auxiliando a área de gestão de pessoas a mensurar se o treinamento está sendo feito e se está surtindo efeito.

E o melhor é que todas essas soluções podem ser encontradas na nuvem, facilitando a segurança da informação da sua empresa!

Se você gostou dessas soluções, vai gostar também de conhecer o Twygo – Plataforma EAD para treinamento de colaboradores. Converse com a gente, será um prazer ajudar você!

 

Guestpost by: Twygo